sábado, 15 de Novembro de 2014

Sem ideia de como montar o prato do almoço/jantar?

Dicas de: Ana Ceregatti - Nutricionista

Divida (imaginariamente!) o prato em quatro. 
Preencha 2 partes com vegetais variados, crus ou cozidos, o mais colorido que puder. 
Evite alimentos fritos ou com molhos. Nesse espaço, não coloque alimentos do grupo das batatas. 
No outro quarto, coloque cereais integrais, como arroz, mix de cereais ou macarrão. Alimentos do grupo das batatas podem ir nesse espaço. Modere a quantidade caso esteja controlando o peso.
Na quarta parte restante, coloque uma concha de leguminosas (lembre de deixa-las de molho por cerca de 12 horas antes de cozinha-las).
Um fruta rica em vitamina C de sobremesa completa o conjunto!


quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

Blogs que INSPIRAM

O nosso Universo recomenda Blogs e Páginas de Portugal.
Visitem e inspirem-se!

Conheça e acompanhe a Márcia

Compassionate Cuisine

Conheça e acompanhe a Patricia

Not Guilty Pleasure


Conheça e acompanhe a Sandra


Cliquem nos nomes

segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Seitan Caseiro


O seitan, carne de glúten ou simplesmente glúten, como por vezes também é designado devido ao nome da proteína do cereal, é um alimento derivado de uma proteína de trigo chamada glúten. É um alimento da Antiguidade, tal como o tofu. Não está claro se a receita provém da Índia ou da China.

Este é um alimento facilmente encontrado em lojas de produtos naturais.

O seitan é produzido a partir da preparação da farinha de trigo.

Faz-se primeiro uma massa, como para o pão. Esta é depois lavada, num passador, com água corrente. Neste processo perde as gorduras e os hidratos de carbono.

A massa lavada é então cozinhada com molho de soja (shoyu ou tamari) e ganha assim uma consistência dura. Fica um preparado fibroso, que deve ser bem cortado em fatias. É um produto rico em fibras e minerais.

Encontra-se à venda em lojas de produtos naturais. Geralmente o seu período de validade é de 2-3 semanas, no entanto pode congelar-se.

Existem duas alternativas para preparar seitan caseiro: usando farinha de trigo integral ou usando farinha de glúten. A primeira farinha encontra-se em qualquer supermercado e é mais barata, mas o preço final do seitan é mais elevado. A segunda tem a vantagem de poupar muito tempo na preparação, de haver menos desperdícios (de farinha e água) e de tornar a sua confecção mais simples, mesmo para os menos experientes na cozinha.


Como fazer seitan caseiro

O seitan é um óptimo substituto da carne, não só a nível proteico como também a nível de preparação culinária. Pode grelhar-se, panar-se, usar em estufados, em espetadas ou assar no forno.
Este é um alimento facilmente encontrado em lojas de produtos naturais, mas o seu preço nem sempre é muito acessível. No entanto, este é um produto que se prepara facilmente em casa e por poucos euros.

Existem duas alternativas para preparar seitan caseiro: usando farinha de trigo integral ou usando farinha de glúten. A primeira farinha encontra-se em qualquer supermercado e é mais barata, mas o preço final do seitan é mais elevado. A segunda tem a vantagem de poupar muito tempo na preparação, de haver menos desperdícios (de farinha e água) e de tornar a sua confecção mais simples, mesmo para os menos experientes na cozinha.

A receita da preparação com farinha de trigo integral:

Ingredientes:
1 kg de farinha de trigo integral
3 chávenas de água
1/2 chávena de molho de soja
ervas aromáticas q.b

Preparação:
Numa tigela grande mistura a farinha e a água. Mexe bem com as mãos. Sova a massa como se estivesses a fazer um pão, e se sentires necessidade de colocar mais água para ficar nessa consistência, coloca. Faz uma bola dessa massa, coloca novamente na tigela e cobre com água. Deixa a massa descansar no mínimo umas 5 horas (quando estiveres com mais prática, podes deixar até 2 horas).
Depois do período de descanso, coloca a massa dentro de um escorredor de macarrão (ou qualquer outro mais fino) e o escorredor dentro de uma tigela.
Deixa no lava-louça debaixo de água corrente. Começa novamente a sovar a massa, só que agora debaixo da água. Amassa até a água começar a sair quase transparente. Não fiques desesperado se achares que não vai sobrar nada daquela imensa bola de farinha, porque a massa costuma decompor-se nesse processo. Quando terminares a lavagem é só juntar as partes que a massa fica uniforme.
Numa panela coloca as ervas aromáticas que desejares, o molho de soja e água suficiente para o cozimento. Tapa a panela e, depois da fervura, deixa cozinhar mais 30 minutos. Retira da panela, corta em bifes e está pronto para usares nas tuas receitas com seitan. Com 1kg de farinha obterás cerca de 500g de seitan. Podes conservar no frigorífico 3-4 dias ou congelar.
Podes aproveitar a água para fazer alguns ensopados também.


Sugestão: 
É necessário amassar a farinha com água (quem tiver máquina de pão pode usar o programa “Massas” para amassar) e depois lavar a massa de forma a só ficar o glúten da farinha. A massa tem de sovar-se muito bem em água corrente até sair o farelo e o amido. Depois é só cozer o glúten em água com temperos a gosto e está pronto a usar. Com 1 kg de farinha obtém-se cerca de 250g de seitan.

Mas a preparação com farinha de glúten é, sem dúvida, a solução ideal, tanto pela facilidade de confecção como pelo preço final do seitan. Basta amassar bem 250g de farinha com 250ml de água (na máquina de pão pode usar o programa “Massas” para amassar) e um pouco de molho de soja (opcional).
Se quiseres obter um aspecto igual ao do seitan de compra, substitui 50g de farinha de glúten por farinha de trigo integral. Não estranhes o aspecto esponjoso da massa. Quando tiveres uma bola de massa, coloca-a a estufar num pouco de água e temperos a gosto (gengibre, alho, louro, molho de soja). Coloca num tacho maior do que o volume da massa, pois o glúten chega a duplicar com a cozedura. Deixa cozer em lume brando cerca de 1h15, ou se preferires coze na panela de pressão em metade do tempo. Também se preferires diminuir o tempo de cozedura, divide a bola de massa em várias ou corta-a em fatias, mas tens de cozer em recipientes separados ou ter cuidado para que os pedaços não se colem durante a cozedura. No final é só cortar em fatias e usar nas receitas que quiseres. Aproveita a água da cozedura para juntar a sopas, cozer arroz ou adicionar a estufados. Com 250g de farinha glúten obténs 750g de seitan, o que dá cerca de 14 bifes de seitan.

Além de ser mais saudável, o seitan caseiro pode chegar a ficar a menos de ¼ do preço do industrial. Meio quilo de farinha integral custa cerca de 0,75€, ou 1€ se for biológica, e a mesma quantidade de farinha de glúten custa cerca de 1,50€, ou 3,70€ se for de origem biológica. Para obter 1kg de seitan são necessários 4kg de farinha integral ou 350g de farinha de glúten. Usando farinha de trigo, 1kg de seitan caseiro fica a cerca de 6€ (no entanto, quem conseguir comprar farinha a granel, pode diminuir bastante o preço), mas com farinha de glúten fica em média a 1,2€ (ou 2,80€, se for com farinha biológica), contra os cerca de 5,5€ do industrial.

O seitan caseiro conserva-se numa taça com o líquido da cozedura, ou em sacos de congelação bem fechados, 3-4 dias no frigorífico, mas também se pode congelar.





Iogurte vegetal natural ou de Frutos


Ingredientes:
2 cháv/xíc de leite vegetal (de amêndoas tem boa quantidade de proteína)
1 colher de chá de ágar-ágar
* adoçar é opcional - com tâmaras a gosto
*colocar gotas de sumo de limão – opcional
* Pode fazer com frutas - 1 cháv/xíc de frutos a gosto

Misture 1 cháv/xíc do leite com o ágar-ágar, misture bem e leve a lume baixo. Mexa bem sem parar nunca, quando começar a ferver continue a mexer mais 2 minutos.
Bata no liquidificador com o restante leite coloque em frascos e guarde no frigorífico.

Caso goste mais liquido diminua a quantidade de ágar-ágar ou use mais leite vegetal!
Conserva-se bem cerca de 5 dias no frigorífico.

sábado, 11 de Outubro de 2014

Dobrada à Portuguesa

Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana





Ingredientes(para 4 pessoas):

2 chávenas(chá) de feijão branco cozido
1 cebola média picada
2 dentes de alho picados
2 colheres(sopa) de azeite
1 cenoura grande cortada em cubos
1/2 pimento verde em tiras
200grs de cogumelos pleorotus cortados em tiras grossas
1 chouriço de soja (opcional)
4 colheres(sopa)de molho de tomate(use caseiro) ou 1 tomate grande sem pele picado
folhas de couve sabóia ou repolho q.b.cortadas em juliana
Sal, pimenta preta, cominhos em pó, caril e 1 folha de louro.
salsa e cebolinho 

Preparação:
Num tacho verta o azeite, junte a cebola, o alho picado, o chouriço de soja (se utilizar), o pimento, a cenoura e a folha de louro. Leve ao lume e deixe amolecer a cebola. Junte os cogumelos cortados em tiras. Em seguida adicione o molho de tomate (ou o tomate picado). Deixe apurar um pouco e junte o feijão branco. Se necessário, adicione água a ferver. Tempere, tendo o cuidado de usar os cominhos e caril com cuidado, é melhor colocar pouca quantidade de cada vez. Se achar que o caldo está pouco apurado, retire cerca de 2 colheres de sopa de feijão e esmague-o, juntando novamente ao tacho. Quando a dobrada estiver quase pronta, junte a couve e deixe levantar fervura. Rectifique temperos e desligue. Polvilhe com salsa e cebolinho picados.

Sirva com arroz integral solto, e se quiser salada.

Receita do blog Aroma de café

Pastéis SEM bacalhau

Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana





Receita "The Love Food"

Para cerca de 8 a 10 bolinhos
4 batatas cozidas partidas aos pedaços
200 gr de tofu
1 mão cheia de salsa
½ cebola pequena cortada muito fininha
2 colheres de sopa de levedura de cerveja
Sal
farinha de trigo


Triture tudo no processador até ter uma massa cremosa.
Faça bolinhas com as mãos, coloque-as num prato cheio de farinha e depois enrole-as entre as mãos, de forma a ter a forma de um bolinho de bacalhau. A farinha ajuda a fazer a forma, a não se desfazerem durante a cozedura e dão-lhe uma crosta incrivelmente deliciosa!

Deite um fio de azeite numa frigideira anti-aderente quente e frite-os, virando-os de vez em quando (com muito cuidado!), até estarem uniformemente dourados.

Acompanhe com uma salada de grão com cebola, salsa e azeite, ou com um bom arroz malandro.


E bom apetite!

sexta-feira, 10 de Outubro de 2014

Escabeche de Tofu

Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana
Receita Tradicional da Estremdura


ingredientes
1 embalagem de tofu
batatinhas novas
5 cebolas
4 dentes de alho
6 colheres (sopa) de vinagre escuro (balsâmico ou de vinho tinto)
2,5 dl de azeite
4 folhas de louro
1 pitada de colorau (opcional)

Cortar o tofu em fatias, temperá-lo com sal, besuntá-lo com azeite e levá-lo a grelhar. Cozer as batatinhas em vapor.
Numa caçarola, deitar as cebolas, o alho laminado, as folhas de louro e o azeite e leva-se ao lume até ficar a cebola ficar macia.
Nessa altura, retirar do lume, juntar o vinagre, o colorau e temperar com sal e pimenta. Despejar por cima do tofu grelhado e das batatas cozidas. Pode servir-se morno ou frio, salpicado com salsa picada.

Receita Veggy Nice

Ervilhas Guisadas

Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana
Receita Tradicional do Alentejo




Ingredientes:
Azeite
1 cebola picada
2 dentes de alho picados
1 molho de coentros ou hortelã se preferir
sal
vinagre
ervilhas
açúcar (opcional)

Preparação:
     Faça um refogado em azeite com a cebola e os dois dentes de alho.
     Num almofariz pise um molho pequeno de coentros, um dente de alho e sal até ficar uma pasta consistente, ou se preferir, substitua os coentros por umas folhas de hortelã.
     Depois da cebola alourada deite uma colher de sopa de vinagre.
     Deixe ferver um pouco e incorpore as ervilhas no refogado.
     Dissolva uma colher de sopa de açúcar num copo grande cheio de água e junte à massa que preparou no almofariz. (este ponto é opcional, mas fica óptimo).
     Deite nas ervilhas.
     Deixe ferver em lume brando com o tacho destapado, para que as ervilhas fiquem bem verdes.
     Quando estiverem prontas salpique-as com um pouco de coentros bem picados, ou se usou hortelã, salpique com umas folhas de hortelã, tal como mostra na foto.

NOTA: Nesta receita pode utilizar-se favas e faz-se de igual forma.

Batatas de Rebolão

Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana
Receita Tradicional do Alentejo




Ingredientes:
1 kg de batatas cortadas às rodelas ou inteiras se forem pequenas
2 colheres de sopa de azeite
1 cebola cortada cortada às rodelas ou picada se preferir
2 alhos picados
1 colher de massa de pimentão
chouriço vegetal cortado em rodelas finas

Preparação:
 Faça um refogado com azeite, a cebola, os alhos picados e a massa de pimentão.
     Depois de cortadas as batatas, ou inteiras, deite-as na sertã, ou, caso faça em maior quantidade, deite as batatas num tabuleiro juntamente com o refogado. Nesta altura regue abundantemente com o azeite. Junte um pouco de água e deixe ir assando até começarem a tomar cor. Deite agora, se preferir, umas rodelas finas de chouriço vegetal e mexa sempre até ficarem douradas e o chouriço ligeiramente passado.

Massa de Azeitonas

Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana
Receita Tradicional do Alentejo





Ingredientes:

1 kg de azeitonas pretas
250 g de alho descascado e cortado fino
2 colheres de sopa de azeite
sal e pimenta preta

Preparação:

Descasque e descaroce as azeitonas e junte-as aos alhos. Bata tudo para fazer uma massa homogénea e junte as duas colheres de azeite. Tempere com sal e pimenta preta moída na altura.

NOTA: Esta massa de azeitonas era muito comum fazer-se no Alentejo e servia para comer directamente no pão ou para constituir tempero de alguns pratos, entrando directamente nos refogados ou durante o cozimento ou assadura.

Receita do blog nelson-banza

Seitan à Alentejana


Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana
Receita Tradicional do Alentejo





Ingredientes:
500g seitan
3 batatas médias
massa pimentão, colorau doce, pimenta preta q.b.
coentros

Preparação
Cortar o seitan aos cubos, parecidos com os típicos rojões, e temperar com a massa pimentão, colorau doce ou pimentão doce, pimenta preta e um fio de azeite.  Deixar cerca de 20 minutos.
Entretanto, cortar as batatas também aos cubos e fritá-las.
Numa caçarola, acrescentar mais um fio de azeite e fritar o seitan. Mexer bem.
Após 15 minutos acrescentar um copo de água, mexer e levantar lume. Acrescentar uma boa dose de coentros e voltar a mexer.
Desligar após 10 minutos.
Numa travessa, misturar as batatas fritas com o seitan, envolver bem e servir.

Sugestões:
Acompanhar com azeitonas e migas ou arroz e muito muito pão.

Receita do blog folhagemvermelha

quinta-feira, 9 de Outubro de 2014

Bolo do Caco


Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana
Madeira



É um pão de trigo típico da região da Madeira que pode ser encontrado tanto na ilha da Madeira como na ilha do Porto Santo. É consumido como entrada, acompanhamento ou como iguaria principal.

Ingredientes:

1 kg de farinha
750 gr de Batatas doces
25 gr de Fermento de padeiro
1 pitada de Sal
Água

Preparação

Descasque as batatas, leve a cozer em água e reduza-as a puré.
Desfaça o fermento num pouco de água (150 ml +-) e adicione também o sal.
Coloque a farinha numa superfície limpa, abra um buraco no meio e coloque a batata doce e o fermento. Deixe a massa fermentar durante 2 a 3 horas.

Divida a massa em pequenas porções e espalme-as (numa superfície polvilhada com farinha). de seguida coza o bolo de caco numa chapa bem quente, de ambos os lados.

Sugestão: Barre com manteiga de alho(*), salsa picada e e um pouco de sal.

A massa para o bolo do caco é uma massa de pão de trigo vulgar, feita com farinha de trigo, fermento de padeiro (feito em casa ou industrial), água e sal.
Fazendo o fermento em casa, este obtém-se misturando um pouco de farinha com água morna nas quantidades necessárias para resultar uma massa mole.
Esta massa é deixada durante 1, 2 ou 3 dias a fermentar; depois utiliza-se juntando à farinha.
A proporção depende do tempo que tem de fermentação.
Usando o chamado fermento de padeiro industrial, este é utilizado na proporção de 30 a 50 grs por cada quilo de farinha de trigo.
Feita e fermentada a massa de pão (que até se pode comprar na padaria), divide-se em bolas que se achatam de modo a formar uma bolacha com a espessura de 3 cm e um palmo de diâmetro.
Tem-se uma pedra muito quente, sobre a qual se coloca a bolacha.
Deixa-se cozer e ganhar uma crosta fina, mas ligeiramente queimada.
Vira-se e deixa-se cozer igualmente do outro lado.
Pega-se agora na bolacha na vertical e roda-se de modo a alourar também os bordos.
O bolo do caco acompanha a refeição ou pode comer-se quente, simplesmente com manteiga(vegana claro).

É indispensável para acompanhar a espetada nas romarias.
È condição para a boa cozedura do bolo do caco que a pedra esteja escaldante, sendo aquecida por meio de qualquer combustível, podendo até ser usado para o efeito um vulgar fogão a gás.
Diz-se que antigamente era de basalto a pedra onde se cozia o bolo do caco.
Hoje vendem-se na Madeira, nas casas de artigos de construção, placas de cimento que se substituem as referidas pedras de basalto.

Feijoada de Seitan


Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana






Ingredientes (2 pessoas)
500g de feijão branco cozido
2 tomates pequenos
1 cenoura em rodelas
2 dentes de alho
1/2 cebola picada
1/4 couve lombarda
200g de seitan(*)
6 rodelas de chouriço de soja
1 colher de chá de cominhos em pó
Azeite
Sal

Preparação
Tempere o seitan com sal e pimenta pelo menos 20 minutos antes.
Faça um refogado com o seitan o alho, a cebola, o azeite, o louro e o chouriço de soja.
Quando tiver apurado junte o tomate cortado e a cenoura às rodelas. Acrescente um pouco de água.
Juntar os feijões e a couve. Tempere com sal e os cominhos. Deixar em lume brando até estar no ponto.
Guarnecer com coentros se desejar.

Bom apetite!

(*) Pode fazer com soja, tofu.
Caso não goste de seitan ou seja intolerante ao glúten, sugiro que o substitua por tofu fumado que tem um sabor mais forte que o tofu normal encaixando melhor neste tipo de comidas "tradicionais".


receita do blog/página Nem acredito que é saudável

Sonhos de alheira


Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana






Ingredientes:

- 1 alheira sem pele
- 250ml de água
- 170gr de farinha
- 4 substitutos de ovos(*)
- 1 colher de chá de fermento
- 1 colher de sopa de margarina
- sal q.b.

Juntar num tacho a água, margarina e pouco sal. Deixar levantar fervura. Retirar do lume, adicionar a farinha e o fermento, mexer bem. Juntar a mistura de linhaça e a alheira aos pedaços. Com a ajuda de uma batedeira eléctrica, usando as pás em espiral, misturar bem toda a massa.
Fritar colheradas desta massa em óleo bem quente.
Servir com arroz de feijão e salada de tomate e cebola.

(*)
4 colher de sopa de sementes de linhaça em pó
12 colheres de sopa de água.
Diluir muito bem.
(uma pitada de caril para dar cor)


Receita adaptada do blog oquequesecomeaqui

Couves à Moda do Ribatejo

Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana
Receita Tradicional do Ribatejo


Ingredientes
6 folhas de couve galega grandes e tenras
(em alternativa use caldo verde embora não fique igual)
3 batatas médias
200 gramas de broa de milho
100 gramas de pão de trigo
dentes de alho
azeite

Preparação
Parta as couves á mão torcendo-as, depois de lhe ter tirado os talos mais grossos.
Coza em bastante água com sal, juntamente com as batatas.
Num outro tacho ponha bastante azeite e vários dentes de alho picados (2 ou 3 conforme gostar mais ou menos do gosto do alho), deixar o alho fritar lentamente sem queimar e quando alourar deitar-lhe dentro as couves e batatas, bem escorridas.

Ir mexendo bem e esmagando as couves e batatas com a colher de pau ou com um pisão.
Enquanto está a fazer este preparado tem a broa e o pão a demolhar no caldo de cozer a couve.
quando já estiver amolecido junte-o ás couves. e volte a amassar tudo de novo, misturando muito bem.

Se necessário acrescente mais um pouco de água da cozedura ou um pouco de azeite, rectifique de sal, se gostar pode juntar um pouco de pimenta.

Receita do blog osmeusdocesesalgados



Esta receita é também conhecida em algumas regiões do Ribatejo por "Mexudas".
As “mexudas” são uma espécie de esparregado feitas com farinha de milho peneirada, muito cremosas.

segunda-feira, 6 de Outubro de 2014

Petiscos.. à Portuguesa

Receitas Regionais Portuguesas
Receitas tradicionais portuguesas, originais ou numa versão vegana








1- COGUMELOS À BULHÃO PATO:
Ingredientes (para 2 pessoas)
300g de cogumelos frescos (uso dos brancos), aos pedaços
2 dentes de alho bem grandes, picados
1 mão cheia de coentros, picados
2 colheres de sopa de azeite
Sumo de 1/2 limão pequeno.
Sal q.b.

Como preparar
Numa frigideira em lume baixo juntar o azeite com o alho e os coentros. Deixar apurar os sabores, sem queimar, durante uns 3 minutos.
Adicionar os cogumelos, um pouco de sal e cozinhar cerca de 5 minutos ou até ficarem tenros.
A meio da cozedura dos cogumelos juntar o sumo de limão. Se neste passo os cogumelos perderem muita água, deixar evaporar um pouco, mas não em demasia para ficar com molho.
Rectificar os temperos e servir com pão torrado.

2- FAVAS FRITAS COM COENTROS
Descasque as favas e retire a pele de cada bago.
Ponha as favas em azeite já quente e deixe fritar durante 8 minutos, mexendo de vez em quando.
Adicione os coentros picados mesmo antes do fim da fritura para ficarem crocantes.
Retire-as do azeite e ponha-as numa travessa em cima de guardanapos ou papel absorvente.
Enquanto estão estão quentes, polvilhe com umas pitadas de flor de sal, pimenta preta e coentros picados grosseiramente.
O ideal para este petisco são favas bem maduras. O seu sabor delicado em contraste com a forte personalidade da pimenta e dos coentros e a determinação da flor de sal resultam num aperitivo de se lhe tirar o chapéu.

3- TREMOÇOS COM UM TOQUE!
Depois de bem lavados, prepare-os:
Sugestão 1- Tempere com azeite, alho picadinho, flor de sal e pimentas (vermelha, preta e branca);
Sugestão 2- malagueta e coentros picadinhos e tempere com flor de sal. 

4- GRÃO FRITO:
grão seco q.b.
água q.b.
sal q.b.
piripiri em pó q.b.
pimentão doce q.b.
azeite ou óleo vegetal q.b.

Compre grão seco (não pode ser enlatado ou em frasco, sem de ser mesmo grão seco de pacote) e coloque-o de molho em água abundante e deixe ficar demolho por 24 horas.
Após este tempo retire o grão da água e escorra-o bem. Coloque-o num recipiente e tempere-o com sal, piripiri em pó e pimentão-doce, deixando tomar sabor por 1:30 hora.
Coloque um pouco de óleo numa frigideira (só o suficiente para tapar o fundo da frigideira), deixe aquecer e junte o grão, mexa frequentemente até que este adquira um tom opaco e brilhante, uma cor dourada escura e se apresente estaladiço (vá provando o grão à medida que o vai fritando para verificar se está pronto, deve demorar cerca de 5 minutos). Escorra o grão do óleo e coloque-o sobre papel absorvente. Disponha-o sobre um prato de servir e rectifique o sal e o piripiri.

... E PARA ACOMPANHAR? UM BRANCO FRESCO? UMA CERVEJOLA?