terça-feira, 3 de setembro de 2013

Como preparar Tremoços em casa

Fonte: Centro Vegetariano
Em casa podem preparar-se da seguinte forma: comprar os “feijões” de tremoço secos e colocá-los de molho em água de um dia para o outro. Depois fervem-se numa nova água durante vinte minutos. Arrefecendo, colocam-se num alguidar em água limpa que deve ser mudada duas a três vezes por dia durante cinco ou mais dias. Quando já não estiverem amargos podem ser conservados durante bastante tempo (no frigorífico) em água temperada com sal regularmente renovada e, opcionalmente, adicionando-lhes alho e/ou ervas aromáticas tais como orégãos ou louro.
O tremoço é uma leguminosa da mesma família da ervilha e da fava e bastante rico nutricionalmente: possui três vezes mais proteínas e duas vezes mais fósforo do que o leite de vaca, uma quantidade elevada de cálcio, vitaminas E e do complexo B, fósforo, potássio, ácidos gordos insaturados (ómega 3 e 6), ferro e fibras. Em regra, a composição nutricional é a seguinte: 36 a 52% de proteína, 5 a 20% de gordura, 30 a 40% de fibra alimentar.



Fonte: Blog da Ana Guimarães Ferreira

"Há algum tempo atrás, ofereceram-me um saco de tremoços secos e ensinaram-me a prepará-los.

O grão seco do tremoço é tóxico, porque contem alcalóides neurotóxicos e hepatotóxicos, que lhe conferem um sabor amargo. Por esta razão, os tremoços só são comestíveis depois de devidamente preparados. O processo, que me foi ensinado por uma senhora que os cultiva e prepara há muitos anos, é simples:

Em primeiro lugar, escolhem-se os tremoços para remover algum que esteja estragado, ou alguma impureza.

De seguida, colocam-se os tremoços de molho em água fria, de um dia para o outro, tal como se faz com o feijão ou o grão.

No dia seguinte, escorrem-se e passam-se por água limpa.

Colocam-se ao lume numa panela com água sem sal e deixam-se ferver 5-7 minutos. Quando se separarem facilmente da casca, após uma incisão com a unha (ou os dentes), sabemos que estão prontos. Não convém deixá-los cozer demasiado, pois ficariam moles.

Quando estiverem cozidos, retiram-se do lume, escorrem-se e colocam-se em água fria com uma mão-cheia de sal (mais ou menos 1 colher de sopa por cada litro de água).

Passadas 2-3 horas, muda-se a água e não é necessário adicionar sal.

Passadas outras tantas horas, muda-se novamente a água, colocando novamente sal.

Repete-se este processo 2-3 vezes por dia, durante 4 dias, até que os tremoços percam a amargura. Tradicionalmente, este processo era feito ao ar livre: os tremoços eram colocados num saco de rede debaixo de uma nascente, ou num ribeiro, fixando-se com uma pedra, e o sal era adicionado no final, após 3-4 dias deste demolhar natural.

Os tremoços mantêm-se durante várias semanas no frigorífico, num recipiente fechado, com água e uma fina camada de sal.

Os tremoços eram populares entre os romanos, que divulgaram o seu cultivo por todo o império. Hoje em dia, são um petisco comum nos países mediterrânicos e nas suas antigas colónias. Para além de Portugal, encontram-se com facilidade em Espanha, Itália, Brasil, Egipto, Síria, Líbano, Jordânia, Israel, Territórios Palestinianos e Turquia. Nos E.U.A. são populares na "Little Italy", em Chicago e no Harlem espanhol, em Nova Iorque, onde são servidos com cerveja, tal como em Portugal.

Do ponto de vista nutricional, os tremoços são um alimento bastante rico, pois possuem três vezes mais proteína e duas vezes mais fósforo do que o leite de vaca, possuindo ainda altos teores de fibra e vitaminas B e E, cálcio, potássio, ferro e omega 3.

Como se estas não fossem qualidades suficientes, o tremoceiro é também uma planta lindíssima, que fica bem em qualquer jardim e ainda por cima - porque se trata de uma leguminosa - fertiliza o solo de forma natural, ao fixar o azoto atmosférico e o transferir para o solo!"

Fonte: Blog da Ana Guimarães Ferreira


Sobre o Tremoço: Clique AQUI
O tremoço é uma leguminosa da mesma família da ervilha e da fava e bastante rico nutricionalmente: possui três vezes mais proteínas e duas vezes mais fósforo do que o leite de vaca, uma quantidade elevada de cálcio, vitaminas E e do complexo B, fósforo, potássio, ácidos gordos insaturados (ómega 3 e 6), ferro e fibras. Em regra, a composição nutricional é a seguinte: 36 a 52% de proteína, 5 a 20% de gordura, 30 a 40% de fibra alimentar.

Sem comentários: